Ultrassom Peniano com Doppler: um importante exame não invasivo para avaliar a ereção.

A Disfunção erétil (DE) é definida como a incapacidade de iniciar ou se manter uma ereção adequada para uma atividade sexual satisfatória, podendo ser de origem psicogênica ou orgânica. As causas orgânicas de disfimção erétil (endócrina, neurológica, farmacológica e vascular) representam de 50 a 90% das ocorrências. As doenças vasculares secundárias à insuficiência arterial ou venosa são as causas mais comuns de disfunção erétil orgânica. Em um paciente com disfunção orgânica sem alteração endócrina ou neurológica deve-se pensar em insuficiência vascular.

A arteriografia e a cavernosografia/cavernosometria são exames considerados como padrão ouro na avaliação da função hemodinâmica do pênis. Entretanto os procedimentos referidos são invasivos e só deverão ser realizados naqueles casos, onde se faz necessária a intervenção terapêutica (embolização) ou cirúrgica. A ultra-sonografia com Doppler colorido associada a uso de agentes farmacológicos, que induzem a ereção, é o melhor método não-invasivo para se avaliar a dinâmica vascular no fenômeno de ereção.

Enquanto a ultrassonografia Doppler penile duplex se tornou a pedra angular do teste vascular na medicina sexual contemporânea, outros testes têm sido usados historicamente, como o índice peniano braquial e o teste de injeção em consultório com medicamentos erectogênicos.

 A ultrassonografia Doppler duplex pode ser um teste diagnóstico útil para alguns pacientes, mas deve ser reservada para indicações selecionadas:

  • doença de Peyronie,
  • traumatismo peniano prévio,
  • anormalidades no exame físico,
  • pacientes com fatores de risco para DCV (Doença Cardio Vascular) previamente não identificados,
  • pacientes que não tiveram boa resposta com medicamentos orais (inibidores da PDE),
  • pacientes com Disfunção Erétil Psicogênica refratária a outros tratamentos.

Outras indicações possíveis podem ser para tranquilizar os homens com suspeita de disfunção eréctil psicogênica ou para confirmar mais rapidamente a disfunção veno-oclusiva e a falta de resposta à dose máxima intra-cavernosa (ie, homens idosos com diabetes que falharam com a terapia PDE5I e terapias de injecção). Embora este procedimento requeira equipamento especializado (que nem sempre está prontamente disponível para todos os médicos) e requer injeção de drogas erectogênicas como papaverina, fentolamina ou prostaglandina, o ultrassom Doppler duplex pode ser um teste adjuvante útil quando disponível.

O ultrassom Doppler duplex é utilizado para verificar a função vascular, e os resultados podem informar a titulação do tratamento medicamentoso. Além disso, o teste pode fornecer uma oportunidade para detecção precoce de DCV. Anormalidades na vasculatura peniana observadas com a ultrassonografia Doppler duplex foram associadas a um ecocardiograma de estresse anormal e fatores de risco para DCV, sugerindo ainda o papel da DE como um poderoso preditor de eventos relacionados a CV.

O pico de velocidade sistólica (PSV) do pênis diminui à medida que a gravidade da insuficiência arterial aumenta; um PVS mediano de 20,0 cm/s está associado à presença de placa de ateroma e/ou aumento da espessura da camada íntima-média da carótida, e um PSV mediano de 15,0 cm/s está associado a anormalidades da artéria carótida e membro inferior.

Provocando uma Ereção

A injeção intracavernosa de substância vasoativa é feita na porção lateral da face dorsal do pênis, evitando-se a uretra e o corpo esponjoso. São usadas seringas de 10 ml com agulha 25 x 5 Gauge. A papaverina, a fentolamina e a prostaglandina são substâncias classicamente utilizadas como indutoras
da ereção, sozinhas ou associadas entre si. Dentre as opções disponíveis no mercado, a prostaglandina é a melhor delas pela sua rápida ação e baixo risco de complicação. A papaverina é usada na dose de 60 mg diluída em 2 ml, porém esta possui a desvantagem de apresentar altos índices de priapismo após o término do exame.

A possibilidade de ocorrência do priapismo deverá ser claramente discutida com o paciente e este deverá ser orientado a procurar um urologista ou um serviço de pronto atendimento caso haja ereção prolongada por mais de 3 horas consecutivas. O priapismo tem baixa incidência e quanto mais rápido se fizer o tratamento, menor será a possibilidade de ocorrer seqüelas.

Etapas do exame do Doppler peniano
Após a injeção do agente vasodilatador dever-se-á tomar a medida da velocidade da artéria cavernosa em intervalos de tempo de cinco minutos até se completar 20 minutos . Em cada um destes intervalos deve-se também procurar avaliar clinicamente o grau de tumescência e rigidez, onde se entende por tumescência o quanto houve de aumento volumétrico e por rigidez o grau de ereção satisfatória para penetração.
Oates e colaboradores propuseram uma classificação subjetiva
que varia de O a 3.
• O: Sem tumescência.
• 1: Tumescência insuficiente para penetração.
• 2: Tumescência suficiente para penetração, porém sem
rigidez plena.
• 3: Ereção rígida e tumescência máxima.

Insuficiência erétil arteriogênica
A insuficiência arteriogênica sozinha ou associada à insuficiência venogênica representa a principal causa de disfunção erétil. O critério diagnóstico mais importante para a disfunção arterial é a velocidade de pico sistólico nas artérias cavernosas. O valor normal de pico de velocidade sistólica após a fármaco-indução acima de 25 cm/s. Há uma grande variedade de medidas de pico sistólico normal. Existe uma concordância generalizada entre muitos autores que usam o pico de velocidade sistólica abaixo de 25 cm/s como critério de insuficiência
arteriogênica. Valores de pico sistólico entre 25 e 30 cm/s poderão ser utilizados como valor limítrofe, podendo assim corresponder à insuficiência arterial leve ou moderada. Pacientes com valores de pico sistólico acima de 30 cm/s são considerados normais.

……..Página em construção………

Fonte Bibliográfica

The 2018 Revision to the Process of Care Model for Evaluation of Erectile Dysfunction, Journal of Sexual Medicine, September 2018, Volume 15, Issue 9, Pages 1280–1292

Sobre o autor

Alessandro Rossol

Nenhum comentário.

Comentários