Ondas de Choque em Urologia: Uma Revisão Sistemática dos Resultados na Doença de Peyronie, Disfunção Erétil e Dor Pélvica Crônica

Nesta publicação o Professor Rassweiler comenta um estudo onde os autores apresentam uma revisão sistemática sobre o efeito da terapia extracorpórea por ondas de choque (ESWT) em indicações urológicas, como a doeça de Peyronie (DP), disfunção erétil (DE) e dor pélvica crônica (PPC). Dos 12 638 registros, eles finalmente avaliaram 10 publicações: três estudos sobre DP, quatro sobre DE e três sobre CPP. Dois dos três estudos sobre DP (n = 238 pacientes) relataram melhora significativa na dor, mas nenhuma mudança clinicamente significativa na curvatura peniana e no tamanho da placa. Três dos quatro estudos sobre disfunção erétil (n = 272 pacientes) mostraram melhora significativa do escore do Índice Internacional de Função Erétil após ESWT.

Todos os três estudos sobre prostatite crônica CPP (n = 180 pacientes) demonstraram uma redução significativa do Índice de Sintomas da Prostatite do Instituto Nacional de Saúde após ESWT. Os autores concluem que a ESWT reduz a dor na DP Doença de Peyronie, enquanto a evidência para a redução da curvatura peniana é fraca. ESWT pode recuperar ereção natural em respondedores de inibidores da fosfodiesterase-5 e dor no CPP no curto prazo. No entanto, dados de resultados de longo prazo ainda são necessários. Comentários dos especialistas: Mais de 40 anos atrás, ondas de choque extracorpóreas foram usadas experimentalmente para desintegração de cálculos, o que resultou na introdução clínica bem-sucedida de litotripsia extracorpórea por ondas de choque (LECO) em 1980. Nos anos seguintes, diferentes fabricantes introduziram vários princípios de geração de onda de choque SW, incluindo fontes eletro-hidráulicas, eletromagnéticas e piezoelétricas de SW, e acoplamento tênue de SWs usando um colchão de água. Na década seguinte, o efeito de SWs em diferentes estruturas foi estudado experimentalmente, como a cicatrização de fraturas ósseas, tendinites de inserção, calcificações periarticulares e doença de Peyronie.

Em contraste com a ESWL, onde o mecanismo de fragmentação de cálculos é razoavelmente entendido, os efeitos de SWs no tecido humano ainda não estão claros. Mais importante ainda, também não há uma ideia clara sobre o cronograma de aplicação ideal para as diferentes indicações. Isso pode ser claramente demonstrado, quando se olha para todos os principais estudos sobre ESWT para Doença de Peyronie. Inicialmente, vários lithotriptores foram usados para ESWT (Lithostar Plus, Lithostar Multiline, Piezolith 2200/2500, EDAP LT02). Nos três estudos randomizados, os dispositivos desenvolvidos para indicações ortopédicas (Duolith, Piezoson) foram utilizados sem verificar as mudanças físicas (isto é, tamanho focal, pico de pressão de SW) e seu impacto nos parâmetros de tratamento.

A cooperação clínica e o desenho de estudos sobre ESWT para indicações ortopédicas foram completamente diferentes. Com base em estudos controlados randomizados (RCTs), diferentes dispositivos de SW para aplicações de SW focais e radiais foram desenvolvidos e provaram ser seguros e eficazes. Obviamente, os parâmetros SW podem diferir completamente quando se trata de uma tendinite de inserção do tendão de Aquiles ou epicondilite comparado com o objetivo de destruir uma placa da fáscia de Buck na doença de Peyronie. O mesmo se aplica à ESWT aplicada para a melhoria da ED e da CPP. Três dos quatro estudos de ED aplicaram seis sessões de baixa energia (0,09 mJ / mm3) de 1500 SW com intervalo de 3 semanas, enquanto o outro estudo teve cinco sessões semanais (0,15 mJ / mm3) de 3000 SW. No entanto, deve-se admitir que a concentração em um único foco de dor em caso de tendinite de inserção ou fascite plantar é muito mais simples em comparação com o tratamento eficaz de EP ou mesmo ED.

Ao olhar para todos os principais estudos não randomizados de ESWT para DP, que não foram considerados nesta revisão, torna-se óbvio que antes de um próximo ensaio randomizado, vários parâmetros têm que ser discutidos mais intensivamente. De acordo com os ECRs, foi observada redução significativa da dor, mas uma redução significativa da curvatura peniana (> 50% dos pacientes) foi alcançada apenas quando se aplicou maior densidade de energia. Além disso, apenas dois estudos descrevem como os SWs foram distribuídos sobre a placa.

Novos estudos de ESWT para a doença de Peyronie devem determinar primeiro quais parâmetros SW devem ser aplicados, incluindo o tipo de fonte SW, tamanho focal, densidade de energia, freqüência, número total de impulsos, distribuição nos impulsos sobre a placa e intervalo entre as sessões. Isso representa um passo importante. Qualquer estudo randomizado duplo-cego só fará sentido após a clarificação dos parâmetros de tratamento ideais. O mesmo também pode ser aplicado para estudos futuros focados em ESWT para ED e CPP. Para este propósito, a seção EAU da Uro-technology e a seção EAU da Andrology in Urology, em colaboração com a Sociedade Alemã de Litotripsia de Ondas de Choque, organizarão uma Reunião de Especialistas focalizando essas questões. Isso também deve envolver a perícia de cirurgiões ortopédicos e fabricantes de dispositivos para a aplicação de energia SW.

No vídeo abaixo o Dr. Rossol fala sobre tratamentos não-cirúrgicos para a Doença de Peyronie

 

No vídeo abaixo o Dr. Rossol fala sobre as ondas de choque, que é um tratamento não cirúrgico para pacientes que apresentaram piora da qualidade da ereção causada pela doença de Peyronie.

 

 

Fonte Bibliográfica:
Extracorporeal Shock Wave Therapy (ESWT) in Urology: A Systematic Review of Outcome in Peyronie’s Disease, Erectile Dysfunction, and Chronic Pelvic Pain – Jens Rassweiler
European Urology, 2018-07-01, Volume 74, Edição 1, Páginas 115-117, Copyright © 2018 European Association of Urology

Sobre o autor

Alessandro Rossol

Nenhum comentário.

Comentários