O consumo regular de café não parece afetar as ereções masculinas, mas a ingestão de café descafeinado pode – revela estudo.

O consumo regular de café não parece afetar as ereções masculinas, mas a ingestão de café descafeinado pode, sugere um estudo recente no American Journal of Epidemiology.

Acredita-se que a cafeína, os antioxidantes e os compostos antiinflamatórios do café tenham vários benefícios à saúde, mas seu papel nas condições urológicas ainda não está claro. Um estudo anterior, usando dados de 2001-2004, a Pesquisa Nacional de Exame de Saúde e Nutrição descobriu que beber de duas a três xícaras de café diariamente reduz o risco de um homem para a disfunção erétil (DE). Mas o desenho transversal deste estudo e o pequeno número de participantes (3.742) levaram outra equipe de pesquisadores a explorar mais a questão.

Eles analisaram dados do Health Professionals Follow-up Study (HPFS) envolvendo 21.403 homens com idades entre 40 e 75 anos (idade média de 62 anos) por um período de seguimento de 10 anos. Os participantes responderam perguntas sobre sua função erétil e seus hábitos alimentares. Outras características de saúde e estilo de vida, incluindo obesidade, diabetes, hipertensão, tabagismo, consumo de álcool e estado civil também foram avaliadas.

Trinta e quatro por cento dos homens auto-relataram ED. Em 1998, 65% disseram que bebiam pelo menos uma xícara de café – regular ou descafeinado – todos os dias. Onze por cento relataram beber quatro ou mais xícaras. O consumo de café permaneceu semelhante ao longo do tempo. Após o ajuste para fatores de risco de doença cardiovascular e estilo de vida, os pesquisadores não encontraram associações estatisticamente significativas entre a ingestão de café (total ou regular) e DE.

Quando compararam os resultados dos homens que consumiram o mínimo e a maior quantidade de café descafeinado, descobriram um risco aumentado de 37% de ED. Esse achado foi especialmente forte para os homens que fumavam. Os autores aconselharam cautela ao interpretar os resultados para os bebedores de café descafeinado, observando que apenas 0,9% desses homens bebiam quatro ou mais xícaras por dia. Eles acrescentaram que “não há plausibilidade biológica forte entre a ingestão de café descafeinado e a DE” (embora possa haver “compostos químicos deletérios” adicionados durante o processo de descafeinação).

Além disso, os bebedores de café descafeinado mais pesados neste estudo tendem a ter maiores índices de massa corporal, juntamente com níveis mais elevados de hipertensão, colesterol e consumo de álcool. “Curiosamente, observamos uma associação entre a ingestão de café descafeinado e DE apenas entre os fumantes atuais, sugerindo que a confusão residual pode ter contribuído para a associação”, escreveram eles.

Os autores também explicaram algumas das limitações do estudo. Por exemplo, não se sabia como o café era fabricado e se a composição química mudava durante a sua preparação. Além disso, a ingestão de café foi avaliada a cada quatro anos, portanto mudanças mais recentes não seriam contabilizadas.

Fonte Bibliográfica: 

American Journal of Epidemiology via Medscape

Lopez, David S., et al.
“Coffee Intake and Incidence of Erectile Dysfunction” (Full-text. May 2018)
https://www.medscape.com/viewpublication/2406

Sobre o autor

Alessandro Rossol

Nenhum comentário.

Comentários