Está considerando fazer uma vasectomia? Entenda como funciona o procedimento.

Apesar de ser um método contraceptivo muito eficaz e um procedimento relativamente simples, muitos homens ainda torcem o nariz para a vasectomia com medo dos possíveis efeitos colaterais da cirurgia, entre eles problemas na ereção. Mas este é um mito que precisa ser desfeito. A cirurgia de vasectomia deixa o homem estéril por interromper a circulação de espermatozóides produzidos pelos testículo, mas não afeta a produção de hormônios e tampouco atrapalha o desempenho sexual. Além disso, é um procedimento muito menos invasivo que a laqueadura de trompas feminina.

No entanto, mesmo que seja simples, ainda é uma decisão importante e séria e as cirurgias de reversão não garantem 100% de sucesso. Por isso, antes de fazer a cirurgia é importante que o paciente converse com sua parceira e com o médico sobre os prós e contras. Abaixo, respondemos algumas das dúvidas mais comuns sobre o procedimento.

Para quem a vasectomia é indicada?

A cirurgia é indicada para homens com mais de 40 anos que já tenham filhos. No entanto, antes da decisão de ir adiante com a cirurgia é preciso analisar alguns fatores. É uma decisão conjunta com a parceira? O relacionamento está estável? Como está a saúde mental do paciente? Apesar da possibilidade de reversão, ainda assim é um procedimento cirúrgico e todos os fatores da relação devem ser levados em consideração antes da tomada de decisão. Acontece de casais mais novos procurarem um médico para realizar o procedimento. Da mesma forma que ocorre com os mais velhos, a função do médico é falar dos prós e contras da cirurgia. No entanto, a decisão deve vir do paciente e sua parceira.

Como é feito o procedimento?

Como explicado anteriormente, o procedimento é simples. Durante a cirurgia, é feita uma pequena infiltração local com anestésico. Após, uma incisão de cerca de um centímetro é feita em cada lado do saco escrotal. O médico retira um fragmento de cada um dos canais que levam os espermatozóides dos testículos ao pênis. O paciente pode sentir um desconforto nesse momento. Em seguida, se anestesia o local novamente para a finalização do procedimento e, então, fecha-se a incisão. A cirurgia leva menos de 30 minutos e não há necessidade de internação.

Como é o processo de recuperação?

O paciente é liberado para voltar para casa logo após o procedimento. É possível, inclusive, voltar a trabalhar no mesmo dia. Em alguns casos, é relatado um pequeno desconforto testicular. Mas, no geral, não há relatos de mais complicações.

Após a cirurgia, é necessário utilizar um método anticoncepcional por cerca de 60 dias, pois alguns espermatozóides podem continuar vivos no canal. Por essa razão, após passado esse período, é obrigatória a realização de um espermograma para verificar que o sêmem não contém mais espermatozóides.

É possível reverter a vasectomia? Como funciona?

A reversão é, sim, viável. Feita de três a quatros anos após a vasectomia, o espermograma é bom em 90% dos casos e, em 70%, existe a chances de a mulher engravidar. Ao passar mais tempo, surgem obstruções abaixo do ponto onde foi feita a ligadura. Por causa disso, a cirurgia de reversão pode ficar mais complicada depois de um tempo. Não que seja impossível de ser feita, mas o procedimento é mais delicado que o inicial, da vasectomia, e requer muita perícia do cirurgião. O índice de gravidez para reversões feitas após dez anos de vasectomia varia entre 30 e 40%.

Tem mais perguntas sobre a vasectomia ou está considerando realizar o procedimento?Agende uma consulta e converse com o Dr. Alessandro Rossol.

Fonte Bibliográfica:
https://drauziovarella.uol.com.br/entrevistas-2/vasectomia-entrevista/
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/197_vasectomia.html

Sobre o autor

Alessandro Rossol

Nenhum comentário.

Comentários