Entenda como funciona a prótese peniana

Muitos homens sofrem com a disfunção erétil, que é a incapacidade de ter uma ereção ou de mantê-la com rigidez suficiente para uma relação sexual satisfatória. Apesar de frustrante, o problema tem tratamento e o primeiro passo é procurar ajuda de um urologista para descobrir as causas da impotência.
Uma das alternativas do tratamento é a prótese peniana ou implante peniano. Apesar de não poder ser tratada com a primeira opção de tratamento, é um procedimento com altas taxas de satisfação. Implantada no interior do pênis, a prótese é capaz de produzir uma ereção e dar uma vida sexual satisfatória ao paciente.
É importante pontuar, porém, que a prótese não aumenta o tamanho ou o calibre do pênis. O que ocorre é que, para que o implante seja bem sucedido, o cirurgião precisa fazer a reconstrução dos tecidos, recuperando o tamanho e calibre originais do pênis.
A decisão de colocar uma prótese deve ser feita após conversar com um urologista e avaliar todas as opções disponíveis. Abaixo respondemos algumas das questões principais sobre próteses penianas.

Qual tipo de prótese escolher?
As duas próteses mais utilizadas são as semirrígidas ou maleáveis e as infláveis. Para decidir qual tipo implantar, a decisão deve ser feita em conjunto com o urologista e fatores como estilo de vida do paciente, anatomia do pênis e custos devem ser levados em consideração.
Semirrígida ou maleável: a prótese é formada por duas hastes metálicas revestidas com silicone. Ela mantém o pênis constantemente ereto, mas pode ser ajustada em três posições, permitindo tanto a vida íntima quanto o conforto durante o dia a dia, quando é possível, por
exemplo, dobrá-la para urinar. Esse modelo tem a vantagem de não ocasionar vazamentos líquidos e ter baixa necessidade de troca. O funcionamento é bastante simples. Para ter relações sexuais, é só colocar o pênis na posição ereta.
Inflável: o pênis se mantém flácido e um mecanismo dentro da bolsa testicular é acionado pelo homem quando ele quiser ter relações sexuais. Por ser mais discreta, possibilitando o pênis retornar à flacidez, esse modelo acaba sendo o primeiro a ser considerado. Mas, para que ela funcione adequadamente, o processo tem que ser preciso. A ereção é produzida pela manipulação de uma espécie de bombinha localizada no escroto. A bomba contém soro fisiológico, que percorre cilindros implantados no membro. Desta forma, o sistema hidráulico é ativado e infla, ocasionando a ereção. Após o sexo, a válvula, que também está na bolsa escrotal, precisa ser pressionada para que o líquido retorne para o reservatório, e o pênis volte a sua posição de repouso.

Para quem a prótese peniana é indicada? 

Por ser irreversível, a cirurgia é indicada para homens com disfunção erétil que tenham tentado outros tipos de tratamento, como o uso de medicamentos, e não tenham obtido os resultados esperados.

Como é a cirurgia?
A cirurgia, que dura de duas a três horas, é realizada em hospitais e normalmente requer um dia de internação. Na maioria dos casos, é realizada anestesia raquidiana mais sedação.
Recomenda-se o afastamento das atividades normais por sete dias.

Como é o processo de recuperação?
A recuperação pode ser demorada e requer atenção aos cuidados pós-operatórios. Cada caso deve ser avaliado pelo médico, mas em geral, o tempo para que o paciente comece a ter relações sexuais é de seis semanas após a cirurgia. Durante esse período, recomenda-se manter o pênis para cima, para que a cicatrização não fique dobrada para baixo; manter a região higienizada; e evitar atividades físicas mais intensas e esportes de maior impacto nos primeiros dois meses.
Como todo procedimento cirúrgico, o implante também pode apresentar riscos no pós-operatório como infecções, rejeição da prótese e adesão da prótese aos tecidos internos do pênis. Por isso, é importante que o paciente fique atento a quaisquer sintomas ou alterações na anatomia e entre em contato com o urologista para iniciar o tratamento adequado o mais rápido possível.

O que muda nas relações sexuais com a prótese peniana?
Cada indivíduo tem uma experiência diferente, porém alguns fatores acabam mudando. A rigidez da cabeça do pênis, por exemplo, não altera durante a ereção e permanece mole. Outro fator é o desaparecimento do estímulo natural. O paciente precisará utilizar a prótese para atingir a ereção. O que não muda, no entanto, é a sensibilidade e a capacidade de ejaculação e, consequentemente, de ter filhos.

Ainda ficou com dúvidas sobre a prótese peniana? Agende uma consulta e converse com o Dr. Alessandro Rossol.
Fontes:
https://www.tuasaude.com/protese-peniana/
http://www.urologia-sp.com.br/protese_peniana.asp

Qual a indicação médica da cirurgia de prótese peniana?

Como funciona o implante peniano?


https://blog.drpaulo.com.br/blog/tipos-de-protese-peniana-como-escolher
https://www.youtube.com/watch?v=niduMuaAfeA

Sobre o autor

Alessandro Rossol

Nenhum comentário.

Comentários