A classificação da doença de Peyronie com Ultrassom US Doppler afeta a intervenção cirúrgica realizada pelo paciente?

No estudo deste Centro de referencia em Peyronie, 522 pacientes foram examinados usando Ultrassom peniano US realizado por um único cirurgião urologista de 2005 a 2018. Imagens Doppler 2D foram revisadas por um examinador independente com base nos seguintes critérios de classificação:

Grau I – sombreamento hipoecoico sem calcificação ;

Grau II – microcalcificações focais;

Grau III – microcalcificações dispersas;

Grau IVa – placa calcificada e palpável confluente (a) da túnica albugínea;

Grau IVb – placa calcificada e palpável confluente (a) do septo.

A revisão retrospectiva permitiu a identificação dos tratamentos realizados em cada caso.

Resultados
Nossa população de pacientes consistia de 522 pacientes com idade mediana de 60 anos (IQR 54, 65). O grau de curvatura medido no momento do US era 30 e 45 e 60 e 90 graus em 11,6%, com 21,1% dos pacientes apresentando defeito de ampulheta. Vários pacientes tinham diagnóstico concomitante de Doppler de insuficiência arterial (19,7%), CVOD (35,6%) ou insuficiência arterial e venosa mista (9%). A revisão da imagem Doppler com aplicação dos critérios de classificação para 522 pacientes resultou no diagnóstico primário de aparência ultrassonográfica de Grau I em 237 (45,4%) dos pacientes, Grau II em 104 (19,9%) dos pacientes, Grau III em 91 (17,4%) ) dos pacientes e Grau IV (a) e IV (b) em 83 (15,9%) e 7 (1,3%) dos pacientes.

No final, apenas 188 pacientes tiveram tratamento invasivo para sua Doenca de Peyronie, com 50 pacientes submetidos a Xiaflex, 40 submetidos a plicatura peniana, 50 submetidos a incisão de placa e enxerto e 48 submetidos a colocação de Protese Peniana.

Conclusões
A maioria dos pacientes em nossa coorte não buscou tratamento invasivo para seu PyD. Não houve tendência de cirurgia buscada com base no escore de classificação do Ultrassom.

 

Fonte Bibliografica:

https://www.jsm.jsexmed.org/article/S1743-6095(21)00121-1/fulltext

Sobre o autor

Alessandro Rossol

Nenhum comentário.

Comentários