Satisfação dos pacientes submetidos a correção cirúrgica de tortuosidade peniana congênita.

Trabalho apresentado no  XIV Congress of the Latin American Society for Sexual Medicine – SLAMS 2017

A curvatura congênita do pênis é uma anomalia relativamente rara, apresentando desvio corporal do eixo reto durante a ereção. A verdadeira prevalência desta condição é difícil de determinar. Enquanto alguns estudos sugerem que esse problema pode afetar até 10% da população masculina, a maioria desses desvios é pequeno, sem significância clínica ou psicológica, o que leva a que esta condição seja subdiagnosticada. Este estudo procura saber se a correção cirúrgica efetiva do desvio pode melhorar a qualidade de vida desses jovens.

Design: estudo de coorte retrospectivo observacional. Os dados foram revisados a partir dos prontuários de pacientes que foram submetidos a reparo cirúrgico da curvatura do pênis congênito de junho de 2004 a agosto de 2016. Todos os pacientes receberam três questionários auto-administrados: “O Questionário de Qualidade da Vida Sexual (SQoL) – Masculino”, “O Internacional Índice Função Erétil (IIEF-5) e o Questionário “e”: Em uma escala de 0 a 10, quão satisfeito você tem com os resultados pós-cirúrgicos? “

Resultados: Foram realizadas 22 corporoplastias para reparação congênita da curvatura do pênis. A idade média dos pacientes operados foi de 23,4 anos (r = 17-35). O grau médio de curvatura antes da cirurgia foi de 47,9º (r = 20º-90º). A pontuação média obtida após o processamento das respostas do questionário SQoL-M foi de 52 pontos (r = 6-66) e 22,4 pontos após o processamento das respostas do questionário IIEF-5.

Conclusões: A curvatura do pênis congênita diminui profundamente a qualidade de vida dos homens afetados, e o reparo cirúrgico precoce é fundamental para corrigir a deformidade anatômica, bem como restaurar significativamente o bem-estar psicossocial e sexual dos pacientes.

 

Fonte Bibliográfica:

Patient Satisfaction after Congenital Penile Curvature Repair
M. Mayer, A. Silva Garreton, G. Rey Valzacchi, O. Layus, G. Gueglio
The Journal of Sexual Medicine – December 2017 Volume 14, Issue 12, Supplement 6, Page e378

 

Sobre o autor

Alessandro Rossol

Nenhum comentário.

Comentários