Reversão de Vasectomia

Definição

A reversão da vasectomia é um procedimento cirúrgico chamado vasovasostomia, que é feito preferencialmente com técnicas de microcirurgia. O canal deferente que foi seccionado na vasectomia é ligado novamente, permitindo a passagem dos espermatozóides produzidos no testículo ao sêmen eliminado pela uretra no momento da ejaculação. Diferentemente do que usualmente as pessoas estão acostumadas a pensar, a vasectomia não é um método irreversível. As taxas de sucesso da reversão são bastante satisfatórias.

Espermatozóides

Vasectomia

Na vasectomia o canal deferente (que é o ducto por onde passam os espermatozóides) é localizado e dissecado; um segmento deste ducto é seccionado. Os dois cotos são cauterizados e ligados.

reversão vasectomia
Neste esquema ilustrativo observa-se o canal deferente íntegro antes e seccionado depois da vasectomia.

Epidemiologia da Reversão

Nos Estados Unidos cerca de 2 a 6% dos homens vasectomizados fazem a cirurgia de reversão de vasectomia anualmente pelos mais variados motivos. O motivo mais freqüente é um novo relacionamento; a atual parceira não tem filhos e o casal quer um filho para consagrar esta nova união.
As taxas de patência e de gravidez na reversão de vasectomias são variáveis conforme o tempo de vasectomia, a técnica utilizada e a experiência do cirurgião. Deve-se empregar sempre a técnica microcirúrgica (microscópio cirúrgico) pois existe uma taxa de gravidez de 15 à 20% maior do que a técnica macrocirúrgica (sem microscopia).

Em um estudo americano, o Dr. Peter Schlegel demonstrou que o custo de um parto, quando a reversão é realizada nos primeiros 3 anos de vasectomia, é de U$20.954, e quando a reversão é feita após 15 anos, o valor é de U$36.915. Já Pavlovich e Schlegel calcularam o custo da obtenção de espermatozóides para ICSI (inseminação por técnica assistida intracitoplasmática) e chegaram a um valor de U$ 72.521 por parto, o que é praticamente o dobro de uma reversão de vasectomia, mesmo quando esta ocorre tardiamente.

As vantagens da reversão são: menor custo, possibilidade de uma concepção natural e o fato de que gravidezes subsequentes não necessitam intervenção médica.

Como desvantagens temos a morbidade do procedimento, a possibilidade de demora do sucesso e a necessidade de uma vasectomia posterior (caso o casal deseje somente uma gestação).

Técnica

Durante a vasectomia, os canais deferentes (que são os condutos por onde passam os espermatozóides dos testículos para as vesículas seminais) são seccionados, atados por pontos e cauterizados. O método anticonceptivo ocorre com uma interrupção à passagem dos espermatozóides no aparelho reprodutor masculino. A cirurgia de reversão da vasectomia é chamada de vasovasostomia. As extremidades (cotos) dos canais deferentes são “religadas” através de um ato cirúrgico.

As setas brancas acima indicam os cotos da vasectomia realizada, neste paciente, há 5 anos

 

reversão vasectomia
Esquema ilustrativo de vaso-epididimo anastomose.

 

reversão vasectomia
Uso de microscópico aumenta acurácia da anastomose.

 

reversão vasectomia
…aproximação dos dois cotos com fixador delicado…

 

reversão vasectomia
…nesta fotografia com ampliação pode-se observar os primeiros pontos da anastomose.

 

reversão vasectomia
… esquema ilustrativo das suturas da reversão da vasectomia.

 

Considerações Anestésicas

A modalidade de anestesia utilizada para o procedimento deverá ser ajustada de acordo com a comodidade e conforto do paciente e do cirurgião. Nos Estados Unidos, a maior parte das reversões de vasectomia é realizada com anestesia local (infiltração de lidocaína) associada à sedação do paciente. Nas cirurgias do Dr. Rossol, usualmente o paciente é submetido pelo médico anestesista a bloqueio raquidiano associado à sedação anestésica.

 

Objetivo

A proposta da vaso-vasostomia é restaurar a fertilidade masculina. Em muitos casos a vasectomia pode ser revertida. Entretanto a reversão não significa garantia de sucesso em gestação. Quanto maior o tempo passado desde a realização da vasectomia, menores são as chances de sucesso da reversão.

A taxa de retorno da presença de espermatozóides no ejaculado de homens que realizaram vasectomia três anos antes da reversão é de 97%; esta taxa de sucesso diminui para 88% em homens que realizaram reversão oito anos após a vasectomia. Para aqueles que realizaram vasectomia há 15 anos, a taxa de sucesso é de 71%.

Outros fatores afetam a taxa de sucesso após a vasovasostomia: idade da parceira do paciente, potencial de fertilidade da parceira, método de reversão utilizado e experiência do cirurgião que realiza a cirurgia.

A vasovasostomia não é realizada somente em homens que se submeteram à vasectomia. Pacientes com esterilidade causada por obstrução dos ductos deferentes também são candidatos a este procedimento para restabelecer a fertilidade.

 


Este vídeo demonstra uma reversão de vasectomia realizada pelo Dr. Rossol


Reversão ou ICSI?

A decisão de optar por reversão de vasectomia ou ICSI (inseminação por injeção intracitoplasmática) envolve múltiplas variáveis. A vasovasostomia pode ser considerada quando a vasectomia ocorreu em um intervalo menor do que 15 anos, quando o casal deseja mais de um filho ou quando o casal não quer ou não pode lançar mão de técnicas de reprodução assistida. Se o indivíduo já apresenta idade avançada associada a co-morbidades, então pode ser mais vantajosa a ICSI. Também se a mulher apresenta uma idade mais avançada (mais de 35 anos), é melhor a reprodução assistida. Em termos de custos, a reversão microcirúrgica da vasectomia é o procedimento com melhor custo-benefício para o manejo da infertilidade pós-vasectomia.

Estas duas fotografias acima ilustram a vasectomia de um paciente que já havia realizado vasectomia há 8 anos. Ele reverteu a vasectomia há dois anos, conseguiu gestação e agora está realizando vasectomia pela segunda vez. Repare os pontos dá área da anastomose.


Sempre que possível, devemos realizar a reversão da vasectomia, por se tratar de um método mais natural e que permite uma gravidez também mais natural. Reserva-se a fertilização assistida para pacientes mais idosos e nos casos de falha da vasovasostomia.

 

Fonte Bibliográfica:

Campbell ‘s Tratado de Urologia
Imagens e vídeos: Arquivo Pessoal Dr. Rossol

 

……………………………………………………………………………………………………………..

ATUALIZAÇÕES E NOVIDADES SOBRE O TEMA

……………………………………………………………………………………………………………..

Em discussão no AUA 2015: ICSI ou Reversão de Vasectomia

Participaram de um debate na última sexta-feira, no Congresso Americano de Urologia, cinco experts em reprodução humana. O tema em debate era o que é melhor para o paciente que fez vasectomia e quer tentar uma nova gestação: ICSI (Injeção Intra Citoplasmática) ou Reversão de Vasectomia. O moderador do debate foi o Dr. Harris M. Nagler. Falaram a favor da Reversão os Drs. Peter N. Schlegel e Gianpiero D. Palermo. A favor da ICSI palestraram os Drs. Larry I. Lipshultz e Edmund S. Sabanegh.

Homens que realizaram vasectomia e querem novamente ter filhos tem apenas duas opções: reversão microcirúrgica ou ICSI por extração de espermatozóides do testículo. A ICSI poderá trazer gestação mais rápido, mas a Reversão vai dispor de mais tempo para ocorrer naturalmente. Se a primeira ICSI falhar ou se o casal quiser ter mais filhos, novos procedimentos serão necessários.
Tempo aproximado da cirurgia de Reversão de Vasectomia: 2-4 horas. Alto índice de sucesso do procedimento (70-95%). Procedimento não coberto por planos de saúde. “One time procedure”. Após a cirurgia de reversão, o paciente não precisa voltar a consultar com o urologista novamente, diferentemente da clínica de Fertilização.
Fertilização In Vitro geralmente tem sucesso num curto período de tempo, especialmente se for realizada ICSI (76% de sucesso).
ICSI: mesmo sendo um procedimento seguro, estudos sugerem aumento de risco para defeitos congênitos. Aumento da chance de multíparos. Implante de apenas um embrião diminui a chance de sucesso. Implante de mais embriões aumenta riscos para a gestante, aumenta chance de parto prematuro e aumenta o custo total do bebê.
Fonte Bibliográfica:
Daily News do Congresso da Associação Americana de UrologiaMay 15-19, 2015 New Orleans, USA
Fotografias e Vídeo: arquivo pessoal do Dr. Alessandro Rossol

Sobre o autor

Dr. Rossol

Existem 1 comentários até agora. Comentar.

  1. 1 de novembro de 2016 | Alessandro Rossol diz: Responder
    Usualmente na cirurgia de reversão de vasectomia, os dois ductos deferentes são "religados". São praticamente duas cirurgias, uma vaso-vasostomia de cada lado. Neste caso, as chances caem para a metade.

Comentários