Quase metade dos pacientes recupera a função renal após a nefrectomia radical.

Uma grande proporção de pacientes submetidos a nefrectomia radical para tumores renais foram capazes de se recuperar da função renal pré-operatória, de acordo com os resultados de um estudo publicado no Journal of Urology. Este estudo confirmou os resultados de um estudo prévio de uma única instituição que mostrou que cerca de metade dos pacientes recuperou a taxa de filtração glomerular estimada pré-operatória (eGFR) dentro de 2 anos de nefrectomia.

“Em geral, este estudo confirma que uma proporção substancial de pacientes tem recuperação de eGG após nefrectomia radical, que esta recuperação difere de acordo com o eGFR pré-operatório e que o tamanho do tumor e o sexo do paciente são fatores importantes associados à recuperação de eGFR”, escreveu Emily C. Zabor, MS , do departamento de epidemiologia e bioestatística do Memorial Sloan Kettering Cancer Center, em Nova York, e colegas.

A nefrectomia radical está associada ao risco de redução pós-operatória na função renal. Zabor e colegas relataram os resultados de um estudo no Memorial Sloan Kettering Cancer Center do que demonstraram que 49% dos pacientes submetidos a nefrectomia radical para câncer de rim recuperaram sua eGFR pré-operatória dentro de 2 anos de cirurgia. O estudo também mostrou que idade mais jovem, eGFR pré-operatório inferior a 60 e sexo feminino foram associados a uma maior chance de recuperação de eGFR.

Aqui realizaram um estudo multicêntrico retrospectivo em três centros com alto volume de cirurgia renal para confirmar esses achados. O estudo incluiu 1.928 pacientes submetidos a nefrectomia radical para carcinoma de células renais não metastático. A idade mediana dos pacientes foi de 64 e a eGF pré-operatória média foi de 71,9 ml / min / 1,73 m2.

Aqueles pacientes com eGFR pré-operatório inferior a 60 eram significativamente mais velhos e mais freqüentemente apresentavam diabetes e hipertensão em comparação com pacientes com eGFR pré-operatório de 60 ou mais.

Durante um acompanhamento médio de 3,7 anos, 883 pacientes (45%) tiveram recuperação para o eGFR pré-operatório em 2 anos. Além disso, os resultados confirmaram que a recuperação da função renal aumentou entre aqueles pacientes com eGFR pré-operatório menor. A incidência acumulada de 2 anos de recuperação de eGFR foi de 36% entre aqueles com eGFR pré-operatório de 60 ou mais e 67% entre aqueles com eGFR inferior a 60.

A análise multivariada mostrou que o sexo feminino (hazard ratio, 1,33; IC 95%, 1,13-1,57) foi associado com maior chance de recuperação de eGFR em pacientes com nível pré-operatório de 60 ou superior. Aumentar o tamanho do tumor foi significativamente associado com o aumento da chance de recuperação de eGFR, independentemente dos níveis pré-operatórios de eGFR.

De acordo com os pesquisadores, “este achado sugere que o baixo eGFR não deve ser visto como uma contra-indicação para uma nefrectomia radical quando esse procedimento é indicado de outra forma, uma vez que a incidência cumulativa de recuperação de 1 ano foi de 64% em pacientes com eGFR pré-operatório

Fonte Bibliográfica:

http://www.jurology.com/article/S0022-5347(17)77775-0/pdf

http://www.cancernetwork.com/renal-cell-carcinoma/nearly-half-patients-recovered-kidney-function-after-radical-nephrectomy

Sobre o autor

Alessandro Rossol

Nenhum comentário.

Comentários