Prótese Peniana Inflável

 

As próteses infláveis são sistemas fechados cheios de fluido, que consistem em dois cilindros, uma bomba e um reservatório do fluido.

ams700

Todos os componentes estão interconectados por tubagem resistente à torção. Os cilindros instalados dentro dos dois corpos cavernosos são insuflados à medida que o líquido é bombeado do reservatório, criando uma ereção. São esvaziados à medida que o líquido é transferido de novo para o reservatório, fazendo com que o pênis regresse de novo ao estado flácido. Este dispositivo contém elastômero de silicone sólido.

prótese peniana

A prótese peniana destina-se a ser utilizada em homens que, após uma avaliação médica e um exame físico, e depois de deliberados outros métodos opcionais de tratamento com o urologista, são considerados candidatos aceitáveis para cirurgia de implantação.

Os modelos atuais trazem uma impregnação antibiótica de rifampicina e minociclina na sua superfície. Isso resulta numa redução significativa do número de infecção nos pacientes que receberam esta prótese.

Indicações de Utilização
A Prótese Peniana Insuflável destina-se a ser utilizada no tratamento da disfunção erétil masculina (impotência) orgânica crônica.

Contra-indicações
A implantação deste dispositivo é contra-indicada em doentes com uma infecção urogenital ativa ou infecções cutâneas ativas no local da cirurgia. A implantação da versão com antibióticos deste dispositivo é contra-indicada em doentes com alergias ou sensibilidade conhecidas à rifampina (rifampicina) ou à minociclina ou a outras tetraciclinas. A implantação desta prótese também é contraindicada em doentes com lupus eritematoso sistêmico, dado que foi assinalado que a minociclina agrava esta condição.

Precauções Relacionadas com o Paciente
1. Uma consulta minuciosa pré-operatória deve abranger um debate profundo entre o paciente e o médico sobre todas as opções de tratamento disponíveis e os respectivos riscos e benefícios.

2. É necessário que o paciente tenha força e destreza manual adequadas para obter uma insuflação e esvaziamento do dispositivo apropriado.

3. Doenças mentais ou psicológicas, tais como demência senil, podem impedir que o doente manipule a prótese devidamente.

4. Traumatismo das áreas abdominais ou pélvicas, tais como lesões associadas à prática de desportos (por exemplo, andar de bicicleta) pode resultar em danos no dispositivo implantado e/ou tecidos adjacentes. Este dano pode resultar num funcionamento inadequado do dispositivo e pode necessitar de correção cirúrgica incluindo a substituição da prótese.

5. O contorno, a elasticidade e a dimensão da túnica albugínea pode limitar a expansão em comprimento e/ou diâmetro dos cilindros da prótese.

6. A implantação deste dispositivo deverá ser considerada apenas para aqueles doentes que o médico determinar serem candidatos cirúrgicos aceitáveis.

7. A utilização de terapêutica injetável concomitantemente com a prótese peniana pode danificar a prótese. Os doentes não devem utilizar terapêutica injetável depois de receberem o implante.

Nas imagens abaixo ilustramos a colocação de uma prótese inflável de três volumes em um paciente que havia colocado uma prótese semi-rígida há nove anos. A prótese antiga funcionou bem durante bastante tempo, mas estava desajustada do tamanho do pênis e com perda de funcionalidade.

Inflável 4

Inflável 3

Inflável 2

Inflável 5

Inflável 6

Inflável 1

Inflável 7

Inflável 8

Inflável 9

Inflável 10

Inflável 11

Inflável 12

Inflável 14

Inflável 15

Inflável 16

Inflável 13

Inflável 17

Inflável 18

Inflável 19

Inflável 20

Inflável 21

Reações adversas do dispositivo durante um estudo (ensaio clínico) com 300 pacientes que foram submetidos a colocação de prótese inflável:
Dor urogenital (Associada habitualmente ao período peri-operatório) 160 (53,3%)
Edema urogenital 106 (35,3%)
Equimose urogenital 30 (10,0%)
Encapsulação do reservatório (persistente em 11/19 casos) 19 (6,3%)
Descontentamento do doente (com o comprimento, a habilidade de manipulação e razões não específicas) 18 (6,0%)
Insuflação espontânea 17 (5,7%)
Funcionamento mecânico defeituoso (fugas, insuflação/esvaziamento incompletas, formação de dobras) 13 (4,3%)
Deterioração urinária (fluxo lento, fluxo interrompido, dificuldades de micção ou sintomas obstrutivos) 11 (3,7%)
Eritema urogenital 10 (3,3%)
Dor, tumefacção ou rigidez articulares 9 (3,0%)
Diminuição da sensibilidade peniana 7 (2,3%)
Hematoma urogenital 7 (2,3%)
Ejaculação anormal (retardada, ardor, ou problemas gerais não específicos) 6 (2,0%)
Infecção 6 (2,0%)
Disúria 5 (1,7%)
Curvatura peniana 5 (1,7%)
Reação do local de aplicação (separação da ferida, cicatrização cutânea demorada) 4 (1,3%)
Erosão/extrusão (bomba/cilindro) 4 (1,3%)
Parestesia 4 (1,3%)
Inflamação urogenital 4 (1,3%)
Aderência da bomba/escroto 3 (1,0%)
Posição inadequada do dispositivo 3 (1,0%)
Migração do dispositivo (bomba/cilindro) 3 (1,0%)
Retenção urinária transitória 3 (1,0%)
Polaciúria 3 (1,0%)
Fraqueza 3 (1,0%)
Função sexual anômala 2 (0,7%)
Aneurisma/protrusão do cilindro do dispositivo 2 (0,7%)
Tonturas 2 (0,7%)
Xerostomia 2 (0,7%)
Hematúria 2 (0,7%)
Febre de baixo grau 2 (0,7%)
Dificuldades de memória 2 (0,7%)
Dor pélvica 2 (0,7%)
Artrite Reumatóide 2 (0,7%) Outras 22 (7,0%)

Nas imagens abaixo ilustramos a colocação de uma prótese inflável de três volumes:

050813202438protesepeniana4

050813200314protesepeniana3

 

 

Sobre o autor

Alessandro Rossol

Nenhum comentário.

Comentários